Êxodo 3:6

Publicado: agosto 19, 2014 em Devocionais

“E disse mais: Eu sou o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó. E Moisés escondeu o rosto, pois temeu olhar para Deus. Êxodo 3:6.”

Quando alguém tinha uma experiência com Deus tinha tanto temor que na maioria das vezes achava que iria morrer. Parece que Deus envelheceu e perdeu o poder de presença, pois tem tanta manifestação de Deus e nenhum temor. Prostitutos, ladrões, mentirosos, afeminados, caluniadores, orgulhosos, etc, dizendo que Deus está em suas reuniões, será? Será que é o mesmo Deus que fez Moisés e Elias cobrirem o rosto de temor? Os pais de sansão e outros acharem que iam morrer? Ou Isaías que gritou seu pecado? Ele mudou, ou não é o mesmo Deus? Ou nosso pecado e iniquidade impedem uma manifestação tal de Deus?

Texto: Pr. Marcelo Grubert

Romanos 6:22-23

Publicado: agosto 8, 2014 em Devocionais

“Mas agora, libertados do pecado, e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e por fim a vida eterna. Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor. Romanos 6:22-23″.

O arrependimento é a marca mais real e profunda do verdadeiro encontro com Deus. O pecado separa o homem de Deus, o pecado mata, destrói ele nos impede de ter plena comunhão com o Pai, ele nos afasta de viver o querer de Deus, dentre todas as coisas o que mais precisamos é buscar ser liberto do pecado, só assim receberemos o dom gratuito de Deus, a vida eterna.

Texto: Devocional Diário

Juízes 6:17-18

Publicado: julho 24, 2014 em Devocionais

“Contudo, Gideão replicou: “Se encontrei graça aos teus olhos, dá-me um sinal de que és tu quem de fato fala comigo. Não te afastes daqui, rogo-te, até que eu volte e traga minha oferenda e a deposite diante de ti!” E o SENHOR respondeu: “Esperarei até que voltes”. Juízes 6:17-18.”

Para desfrutarmos de uma grande revelação ou de uma maravilhosa experiência com Deus é necessário que nos acheguemos com o desejo sincero de conhecer a Sua santa vontade ou receber Dele as estratégias para entrar em uma luta com a garantia de vitória, ainda que em situação adversa. Sabemos que Deus também conhece a nossa sinceridade e as nossas limitações e assim como fez a Gideão, Ele fará conosco, quando nos dispusermos a ouvi-Lo com temor e obediência. Deus separará as pessoas certas para lutar junto de nós e nos instruirá. Essa é a certeza que temos, pois o mesmo Deus de Gideão é o nosso Deus.

Texto: ICMV

Efésios 6:17

Publicado: julho 23, 2014 em Devocionais

“Tomai também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus. Efésios 6:17.”

Se lembra de como Jesus usou a espada da Palavra de Deus para se defender quando enfrentou ataque espiritual no deserto? Você acha que Ele precisaria passar por toda essa provação? Tudo isso que Cristo passou foi pra nos mostrar que somos capazes de vencer e de que Deus não nos da o fardo maior que possamos suportar. E que através da PALAVRA DE DEUS e da autoridade que nos foi concedida somos capazes de superar qualquer obstáculo. Então, quando o diabo buscar atacá-lo com tentação, medo, dúvida, ou trazendo à tona os pecados, pecados esse que já foram confessados e deixados, devemos nos lembrar da espada do Espírito que é A PALAVRA DE DEUS. Devemos desembainha-la para fora e usá-la para nos se defender.

Texto: Pr. Marinho

Êxodo 8:8-9

Publicado: julho 16, 2014 em Devocionais

E Faraó chamou a Moisés e a Arão, e disse: Rogai ao SENHOR que tire as rãs de mim e do meu povo; depois deixarei ir o povo, para que sacrifiquem ao SENHOR. E disse Moisés a Faraó: Digna-te dizer-me quando é que hei de rogar por ti, e pelos teus servos, e por teu povo, para tirar as rãs de ti, e das tuas casas, e fiquem somente no rio? Êxodo 8:8-9.”

Toda vez que recebo a oração de um homem de Deus, tenho a honra de receber sua intercessão pela minha vida, essa honra chega a tal ponto que até determino o dia e as necessidades a serem colocadas diante do eterno. Faraó sempre pedia intercessão a Moisés e Arão, mas nunca tinha seu coração quebrantado diante de Deus. Queria a intercessão dos filhos do altíssimo, porém, não servia ao Deus deles.Faraó não se arrependeu somente de deixar o povo ir ao deserto fazer sacrifícios a Deus, mas, por perder seus intercessores, por isso os seguiu até o mar vermelho perecendo nele com todo o seu exército. Se eu tenho a honra de receber ou ter uma oração em prol da minha vida e das minhas causas, tenho que retribui-la na mesma medida, porque posso morrer correndo atrás do manto de intercessão que desonrei. Pense bem antes de pedir intercessão ao um homens de Deus, ele não vai ficar a vida toda perto de você esperando sua indecisão de abandonar o Egito sabendo que o seu interesse nele é se beneficiar através das orações.

Texto: Pastor Cleiton Fernandes

Mateus 11:28

Publicado: julho 15, 2014 em Devocionais

“Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Mateus 11:28.”

A Bíblia deixa claro que conhecer Jesus ou a Sua vida e obra não nos tornam herdeiros da vida eterna. Para fazer parte desse grupo a condição é aceitar o sacrifício de Jesus como redenção para os nossos pecados. Paulo diz em Romanos 6:23 que todo pecador estará perdido se não aceitar a Jesus “Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor.” Podemos ter convicção disso pois a Bíblia nos diz em João 14:6 que Cristo é o caminho e a verdade. “Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim”. Está cansado desanimado? Cristo tem a solução. Mesmo já tendo pago um auto preço, Ele está disposto a fazer um pouco mais por mim e por você. Só que esse “um pouco mais” não depende mais Dele e sim de nós. Vá até Ele e se entregue a Ele. A porta é Cristo. A vida é Cristo. O caminho é Cristo.

Texto: Mensagem do Dia

Chamados Segundo o Seu Propósito – John Piper

(Sermão pregado em 13 de outubro de 1985)

Romanos 8:28-30

Romanos 8 é um dos capítulos mais sangrentos do Novo
Testamento. Veja os versículos 35 e 36:

“Quem nos separará do amor de Cristo? Será
tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome,
ou nudez, ou perigo, ou espada? Como está escrito:
‘Por amor de ti enfrentamos a morte todos os dias;
somos considerados como ovelhas destinadas ao
matadouro’”.

Porém, sobre esta violenta pintura da vida cristã, Paulo
escreve a palavra ESPERANÇA com um grande pincel
vermelho. Por exemplo, no verso 37, ele exclama: “Mas, em
todas estas coisas somos mais que vencedores”. Não apenas
vencedores, mas mais que vencedores! Tribulação, angústia,
perseguição, fome, nudez, perigo e espada não são apenas
vencidos; são mais que vencidos: se tornam servos para nosso
bem.

Este é o significado do aclamado versículo 28: “Sabemos que
Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o
amam, dos que foram chamados de acordo com o seu
propósito”. As versões diferem um pouco aqui. A NTLH diz:
“Pois sabemos que todas as coisas trabalham juntas para o
bem daqueles que amam a Deus, daqueles a quem ele
chamou de acordo com o seu plano” . E a “Revista e
Atualizada” diz: ”Sabemos que todas as coisas cooperam para

o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são
chamados segundo o seu propósito”.
Para o meu estudo, estou inclinado a ler a KJV (N.T.: King
James Version) como a mais fiel ao palavreado original de
Paulo. Mas a diferença não é tão grande que você tenha de
aceitar minha palavra para o que digo. Todas as versões
significam basicamente que Deus está tão soberanamente no
controle do mundo que todas as coisas que acontecem aos
cristãos são ordenadas de tal forma que elas servem ao nosso
bem. Tribulação, angústia, perseguição, fome, nudez, perigo e
espada – todas trabalham juntas para o bem dos que amam a Deus.

Então a rude esperança do crente não é que nós escaparemos
da angústia ou do perigo, ou fome, ou de um massacre, mas
que o Deus Todo-Poderoso fará cada uma de nossas agonias
um instrumento de Sua misericórdia para o nosso bem.
“Vocês planejaram o mal contra mim”, José disse a seus
irmãos que o tinham vendido como escravo, “mas Deus o
tornou em bem”. É assim também com toda calamidade que
acontece àqueles que amam a Deus. Deus a torna em bem.

Seis quarteirões a oeste daqui, na 7th Street, um alicerce está
sendo escavado para um novo prédio. Uma gigante cavadeira
mecanizada fica no centro do terreno, arrancando fora toda a
sujeira e lançando em caminhões de lixo que a transportam
para longe. Observando da borda, eu estimo que o buraco já
tem 5 ou 6 andares de profundidade. O que nós podemos
inferir disso? Eu deduziria que alguma coisa muito grande
será assentada no terreno, já que um alicerce muito profundo
está sendo cavado. Quanto maior o prédio, de maior alicerce
ele precisará.

Quando se trata da arquitetura de promessas, não existe um
prédio maior que Romanos 8:28. A estrutura é absolutamente
assombrosa em seu tamanho. É grandiosa. É infinitamente
sábio, infinitamente poderoso Deus se comprometer a fazer
todas as coisas benéficas para seu povo. Não apenas coisas
boas, mas coisas horríveis, como tribulação, angústia, perigo
e morte. Que tijolo você colocaria no topo desta promessa
arranha-céu para fazê-la mais alta? “Todas as coisas”
significa todas as coisas.

Se você vive debaixo desta promessa grandiosa, sua vida é tão
sólida quanto uma rocha. Nada pode levá-lo além das paredes
de Romanos 8:28. Do lado de fora desta promessa tudo é
confusão, ansiedade, medo, incerteza, abrigos inúteis de
drogas anestésicas, o chão perigoso de planos de
aposentadoria, fraquíssimas forticações de mísseis antibélicos
e uma centena de substitutos para Romanos 8:28.

Uma vez que você entra pela porta da grandiosa e inabalável
estrutura de Romanos 8:28, tudo muda. O que vem em sua
vida é estabilidade, força e liberdade. Você simplesmente não
pode ir além disso. A confiança num Deus soberano que
governa para nosso bem toda a dor e todo o prazer que iremos
experimentar nos dá refúgio, segurança e poder
absolutamente incomparáveis em nossas vidas. Nenhuma
promessa em todo mundo supera a altura, a largura e o peso
de Romanos 8:28.

Conseqüentemente, a base dessa estrutura grandiosa deve
ser extraordinariamente profunda e poderosa. É claro que é. E
é sobre isto que nossa série de quatro semanas tratará. O
versículo 29 começa com “porque”. Isto significa que a base, o
alicerce, o fundamento desta grandiosa estrutura em
Romanos 8:28 é o que segue. E não deveríamos nos
supreender que haja uma fantástica fundação para suportar
uma fantástica promessa.

Meu objetivo nestas quatro semanas é guiar você através da
fundação da promessa de Romanos 8:28. Minha oração é que
sua confiança nesta promessa cresça e que estabilidade,
força, liberdade, esperança e alegria renovadas em sua vida
sejam provas vivas para o mundo de que nosso Deus reina. A
fé vem pelo ouvir e o ouvir pela Palavra de Deus. Nós lutamos
para nossa fé ser cada vez mais forte. Conseqüentemente, isto
nos leva a dar atenção verdadeira à Palavra de Deus.

Então, eu entendo que o versículo 28 contém uma promessa
(todas as coisas cooperam para o bem) e duas descrições dos
beneficiados por ela (aqueles que amam a Deus e aqueles que
são chamados segundo Seu propósito). Ao descrever os
beneficiados pela promessa, Paulo nos dá uma pequena
prévia do profundo alicerce que ele desenvolverá nos
versículos 29 e 30.

Especialmente quando ele diz que os beneficiados são os
“chamados segundo o propósito de Deus”, Paulo aponta para
os versos 29 e 30 mais adiante. O versículo 29 é uma
explicação do “propósito de Deus” (“Porque os que conheceu
de antemão, também os predestinou para serem conformes à
imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre
muitos irmãos”). E o versículo 30 desenvolve as implicações
do “chamados” no versículo 28 (“aos que predestinou, a estes
também chamou; e aos que chamou, a estes também
justificou; e aos que justificou, a estes também glorificou”).

Então meu plano é devotar a mensagem desta manhã a
Romanos 8:28 e sua fundação resumida, e à noite me
dedicarei às lições do versículo 29. Nas três semanas
seguintes, manhã e noite, no versículo 30.

A questão que nós abrimos no versículo 28 é: Quem são os
beneficiados por esta promessa grandiosa? Quem pode ter
certeza de que todas as dores em sua vida são realmente uma
sábia e boa terapia de um Deus soberano para trazer o bem?

Paulo dá duas respostas. Ou ele descreve de dois modos uma
única resposta. Ele define os beneficiados da promessa
primeiro pelo que eles fazem em favor de Deus, e segundo
pelo que Deus fez em favor deles. Os beneficiados pela
promessa são as pessoas que amam a Deus. Este é o primeiro
e grande mandamento, que você ame o Senhor, seu Deus.
Olho nenhum viu, ouvido nenhum ouviu, mente nenhuma
imaginou o que Deus preparou para aqueles que o amam.
Então, em segundo lugar, Paulo descreve os beneficiados pela
promessa como “aqueles que são chamados segundo Seu
propósito”. Qual o sentido de dizer que, além de amarem ao
Senhor, estas pessoas também são “chamadas segundo o
propósito de Deus”? Para responder esta questão, vamos
analisar duas passagens em que Paulo cita o chamado de
Deus e duas em que ele refere-se ao propósito de Deus.

A pista mais próxima sobre o significado dos “chamados” no
verso 28 é o verso 30, em que Paulo diz: “aos que predestinou,
a estes também chamou; e aos que chamou, a estes também
justificou”. O que aprendemos neste verso é que Deus
justifica todo aquele que Ele chama. Ele os perdoa. Ele
esquece suas dívidas. Ele os trata como retos. Eles são Seus
filhos. “Aos que chamou, a estes também justificou”.

Isto significa que o chamado referido aqui não é o chamado
geral que se dá a todo homem pela pregação do evangelho. Se
fosse assim, todo aquele que ouvisse o evangelho seria
justificado. Porque o verso 30 diz “aos que chamou, a estes
também justificou”. Se todo mundo que ouve Billy Graham os
chamando para Cristo pela televisão é “chamado”, no sentido
de Romanos 8:30, então todos também estão justificados. Mas
Paulo claramente ensina que nem todos os chamados no
sentido geral são justificados. “Nós somos justificados pela
fé!” (Romanos 5:1). Nem todo aquele que é chamado no
sentido geral tem fé e, conseqüentemente, nem todos são
justificados. Mais ainda, Paulo diz “aqueles que são chamados
SÃO justificados”.

Paulo nos explica isto em 1 Coríntios 1:23-24: “ 23 Nós
pregamos a Cristo crucificado, que é escândalo para os
judeus, e loucura para os gregos, 24 mas para os que são
chamados, tanto judeus como gregos, Cristo, poder de Deus,
é sabedoria de Deus”. Observe cuidadosamente que Paulo
prega Cristo para os judeus e para os gentios sem
discriminação. Neste sentido, todos são chamados. Mas este
não é o sentido que Paulo usa para a palavra. Ele diz que
entre aqueles que ouviram o chamado geral, existem aqueles
que são os “chamados”. E a diferença é que aqueles que são
chamados no sentido deste trecho param de considerar Cristo
como um escândalo ou loucura. Em lugar disso, eles o
consideram o poder de Deus e a sabedoria de Deus. Verso 24:
mas para os que são chamados, tanto judeus quanto gregos,
Cristo se torna poder de Deus e sabedoria de Deus.

Portanto, Paulo ensina que, quando o evangelho é pregado,
Deus chama alguns tão poderosamente que seus corações e
mentes são mudados em relação a Jesus Cristo, e eles O
abraçam em fé e amor. Por isso Paulo pode dizer em Romanos

8:30 que “aqueles que são chamados são justificados”, ainda
que a justificação só venha pela fé – o chamado de Deus
produz fé; abre os olhos dos cegos para que possam ver que
Jesus é sabedoria e poder de Deus.

O chamado de Deus que Paulo tem em mente não é como
chamar um cachorro: “Aqui, Rex! Aqui! Vem cá, garoto!”. Rex
pode ou não vir. O chamado de Deus é como o chamado de
Jesus para o cadáver de Lázaro: “Lázaro, vem para fora!”. O
chamado contém o poder de produzir o que ele ordena. É um
chamado eficaz. Por isso Paulo pode dizer em Romanos 8:30
que todos “que chamou, também justificou”. A certeza de sua
justificação está no fato de que a fé pela qual os homens são
justificados é produzida pelo chamado eficaz de Deus.

Assim, quando Romanos 8:28 diz “Todas as coisas cooperam
para o bem dos que amam a Deus, daqueles que são
chamados segundo seu propósito”, isto quer dizer que os
beneficiados desta promessa grandiosa são aqueles que uma
vez não amavam a Deus, mas agora amam. E o fazem porque,
de forma eficaz, o Deus os chamou das trevas para a luz, da
descrença para fé, da morte para a vida, e plantou em seus
corações amor por Ele. O chamado eficaz de Deus é o novo
cumprimento completo da aliança de Deuteronômio 30:6 –
“Também o Senhor teu Deus circuncidará o teu coração, e o
coração de tua descendência, a fim de que ames ao Senhor
teu Deus de todo o teu coração e de toda a tua alma, para que
vivas”.

A razão pela qual os beneficiados de Romanos 8:28 podem ter
certeza de que Deus certamente irá cumprir sua promessa a
eles é que o próprio Senhor os chamou irresistivelmente para
sua aliança e os capacitou para cumprí-la. Uma coisa é Deus
enviar uma mala-direta endereçada “a quem possa interessar”
convidando todos para o banquete em que todas as coisas
cooperam para o bem. Mas outra, totalmente diferente, seria
se Deus dirigisse até sua porta, caminhasse, pegasse você, lhe
colocasse no carro, dirigisse até o banquete de Romanos 8:28,
desse vestes de amor apropriadas para o jantar e assentasse
você à destra de seu Filho. Não seria uma iniciativa pessoal de
Deus, como no segundo caso, que daria uma confiança muito
mais profunda de que Ele realmente pretende conquistar você
com misericórdia todos os dias e fazer tudo cooperar para seu
bem?

Nós negamos esta profunda e maravilhosa segurança quando
não abraçamos a doutrina da soberania divina, do chamado
eficaz. Há um poder que chega à vida de um cristão quando
ele sabe como veio a ser beneficiado por esta promessa
incomparável. E como se não fosse o bastante para nos
assegurar que nos tornamos beneficiados pelo chamado eficaz
de Deus, Paulo adiciona as palavras “segundo seu propósito”.
Todas as coisas cooperam para o bem dos que amam a Deus,
daqueles que são chamados segundo Seu próposito.

Qual o motivo de Paulo adicionar este complemento “segundo
seu propósito”? Eu acredito que foi para tornar perfeitamente
claro e certo que o chamado de Deus se origina em Seu
propósito e não no nosso. O chamado de Deus não é uma

resposta a algo que nós prometemos fazer. Deus tem Seus
próprios propósitos, altos e sagrados, que governam aqueles
que Ele chama, e Seu chamado concorda com estes
propósitos, não com os nossos. Ele não dirigiu até minha
porta, me pegou, e me levou ao banquete porque eu concordei
com meu propósito de salvação, mas porque concordou com o
dEle. Se ele estivesse esperando eu ter o propósito de ser
salvo, eu ainda estaria assistindo televisão em casa.

Nós podemos ver a força desse pequeno trecho (“segundo seu
propósito”) se olharmos outro lugar em Romanos onde o
termo aparece, a saber, Romanos 9:11. No contexto Paulo
está tentando mostrar que nem todos os israelitas são
verdadeiros israelitas (versículo 6), nem todos são filhos de
Abraão só porque descendem dele (v. 7) e a diferença se um é
um verdadeiro israelita ou verdadeiro filho de Abraão depende
do propósito e chamado de Deus, e não do homem. Observe
os versos 10 a 12:

“E não somente isso, mas também a Rebeca, que havia
concebido de um, de Isaque, nosso pai 11 (pois não tendo
os gêmeos ainda nascido, nem tendo praticado bem ou mal,
para que o propósito de Deus segundo a eleição permanecesse
firme, não por causa das obras, mas por aquele que chama),
12 foi-lhe dito: O maior servirá o menor”.

O motivo desta passagem é ilustrar pelo exemplo de Esaú e
Jacó (os filhos gêmeos de Rebeca) a natureza do chamado de
Deus. Jacó e Esaú estavam no mesmo útero. Eles tinham o
mesmo pai. Eles não tinham feito nada bom ou mau. E Deus
concedeu seu favor a Jacó, e não a Esaú. Por quê? Por que
não esperar que eles crescecem e tivessem uma chance de
mostrar qual dos dois teria méritos que o fariam justo diante
de Deus, para então chamar um e outro não? Porque Deus
revelou sua escolha antes mesmo de eles nascerem?

Versículo 11 dá a resposta, e usa muito das palavras de
Romanos 8:28. “Para que o PROPÓSITO de Deus segundo a
eleição permanecesse firme, não por causa das obras, mas
por aquele que CHAMA”. O chamado incondicional de Deus é
livre de quaisquer méritos humanos, é o meio pelo qual Deus
mantém seu propósito eletivo. Se Ele não chamasse os
homens ignorando seus méritos, mas o fizesse baseado nisto,
então o propósito divino da eleição caíria por terra.

Deus seria como um candidato político procurando votos,
indo de eleitor a eleitor para ver se ele poderia ser eleito
Senhor. Deus proporia, mas o homem decidiria. O tamanho
da base política de Deus estaria dependendo, no fim, do voto
do homem. O sucesso das missões cristãs, e a possibilidade
de converter toda tribo, raça, língua e nação seria definido
pelo voto humano.

Mas o apóstolo Paulo nada disse de um Deus assim. Ao
contrário, ele diz que Deus favoreceu a Jacó e não Esaú antes
de eles nascerem para que o SEU propósito segundo a eleição
permanecesse firme, não por causa de suas obras, mas
somente baseado em Seu chamado – o chamado segundo Seu
propósito de eleição.

O que é, então, o alicerce de Romanos 8:28? Como aqueles
que amam a Deus terão certeza de que tribulação, angústia,
fome, nudez, perigo, espada ou morte irão de fato cooperar
para o seu bem? A resposta é que aqueles que amam a Deus
também são aqueles que foram chamados por Deus, e este
chamado não é baseado em algo vacilante e incerto como meu
comprometimento com Deus, mas somente em seu propósito
eterno de eleição; propósito pelo qual Ele me concedeu graça
sem levar em conta qualquer ação minha.

Nossa confiança de que todas as amargas e felizes coisas em
nossa vida irão se tornar servos do nosso bem não é baseada
simplesmente no fato de que há uma promessa na Bíblia. Mas
também se baseia no fato de que, desde a eternidade, Deus,
em Sua grande misericórdia nos escolheu para aproveitar Seu
banquete e nos deu evidência de nossa eleição por chamar-
nos para termos um coração (não de pedra!) que ama a Deus.

“Todas as coisas cooperam para o bem dos que

amam a Deus, daqueles que são chamados segundo

seu propósito”. Amém.

Traduzido por: Josaías Cardoso Ribeiro Jr.

Jeremias 31:34

Publicado: julho 8, 2014 em Devocionais

“E não ensinará mais cada um a seu próximo, nem cada um a seu irmão, dizendo: Conhecei ao SENHOR; porque todos me conhecerão, desde o menor até ao maior deles, diz o SENHOR; porque lhes perdoarei a sua maldade, e nunca mais me lembrarei dos seus pecados. Jeremias 31:34″.

O diabo é um perigoso lobo que se disfarça de ovelha. Às vezes ruge feito um leão. Mas vem mais frequentemente como uma cobra. Às vezes ele chega a nós em toda sua depravação e horror. Outras vezes chega como um anjo de luz. É por isso que devemos estar sempre alertas. Ele nos tenta, sussurrando: “Pode acreditar. Cometa o pecado. Não tem problema. Ninguém vai ficar sabendo.” A gente morde a isca e cai no pecado. Aí o diabo berra: “Mas que hipócrita! E pensa que Deus vai ouvir orações suas? Nem perca tempo indo à igreja!” Infelizmente, algumas pessoas dão ouvidos a isso, acreditam e se afastam.Lembre-se: não importa o que você tenha feito. Não importa que pecado tenha cometido. Deus sempre estará pronto a perdoá-lo, lógico se estivermos dispostos a vomita-lo, expô-lo. Se dermos as costas a esse pecado ignorando-o sem se quer termos confessado com a ideia de que não iremos mais pratica-lo, o resultado é só um, voltaremos a Ele, voltaremos a praticá-lo. Não deixe o diabo isolá-lo da Palavra de Deus e do povo de Deus, pois isso é exatamente o que o diabo procura fazer.

Texto : Romildo Santos